Antagonista: STJ suspeita que "polícia de Barbalho" espionava investigadores



Íntegra da matéria publicada pelo site Antagonista:


Na Operação SOS, deflagrada na terça-feira 29, o ministro Francisco Falcão determinou busca e apreensão na Polícia Civil do Pará. A medida foi tomada em virtude da suspeita de que a organização criminosa, supostamente comandada por Helder Barbalho, tenha usado um moderno equipamento de interceptação telefônica para monitorar os próprios investigadores do esquema.


A suspeita surgiu por denúncia de um delegado da própria corporação, que relatou ao Ministério Público estadual a aquisição pela Civil de um dispositivo “capaz de extrair dados de aparelhos telefônicos, interceptar diálogos criptografados e fazer gravações ambientais”, tudo sem deixar rastro.


O equipamento teria custado R$ 5 milhões.


Alvo da SOS, o agora ex-chefe da Polícia Civil do Pará Alberto Henrique Teixeira de Barros é cunhado de Parsifal de Jesus Pontes, homem forte de Helder e que chefiava a Casa Civil até ser alcançado pelas investigações. Denise Lima Teixeira de Barros, irmã de Alberto e mulher de Parsifal, estava lotada na Casa Civil e fez parte da comissão que selecionou as organizações sociais Pacaembu e Birigui, investigadas.


Em sua decisão, Falcão informa ainda que, durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão no âmbito da Operação Para Bellum, a PF encontrou um relatório de inteligência da Polícia Civil referente a Henrique Lutz, um dos integrantes da Orcrim, supostamente comandada por Helder e operada por Nicolas André Tsontakis Morais e Gleudson Garcia Montali.


“Essa informação, em conjunto com os dados e relatos do Ministério Público do Estado do Pará, demonstram que a Polícia Civil pode estar atuando, entre outras formas, com a utilização do aparelho em questão, para dificultar as atividades investigativas”, justificou a PGR, solicitando a apreensão para perícia.


10 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
LOGO AMEBRASIL verticalAtivo 1_3x.png
Benefícios