Coronel Rosa lança o livro, Coronel Massot ” O Patrono”, na sede da ASOFBM/RS



A mais recente obra do Cel Alberto Rosa Rodrigues foi lançada nesta quarta-feira ( 1/12) na sede da Associação dos Oficiais da Brigada Militar e do Corpo de Bombeiros Militar. De acordo com o autor, há quatro anos, os primeiros textos foram elaborados e concluídos, recentemente. O lançamento contou com o apoio da Asofbm e com as presenças do Presidente da Asofbm, Cel Marcos Paulo Beck, do Ex- presidente da Entidade e Secretário adjunto da SSP RS, Cel Marcelo Gomes Frota, do presidente da ABRIL, Cel Alberto Afonso Landa Camargo, do diretor de cultura da Asofbm e presidente da Academia de Letras dos Militares Estaduais do Brasil, (ALMEBRAS) Ubirajara Anchieta, pelos diretores Ten Cel Jorge Alvorcem, Major Diogo Franco, a Oficial responsável pelo prefácio da obra, Cel Najara Silva e a Major Vanessa.


A obra é um relato desde a infância do Cel Afonso Emílio Massot, que nasceu em Pelotas, em 1865, o ingresso na BM até a sua morte, ocorrida em outubro de 1925. ” Relatei o que se pode fazer pela grandeza de uma tropa, através da trajetória de Massot. Por isso, ele foi e continua sendo um exemplo para todos brigadianos”, resumiu Rosa.


Pela a qualidade do livro e pela trajetória do autor, o presidente da Asofbm, Cel Marcos Paulo Beck, fez um breve registro destacando que ” o Cel Rosa é um exemplo de Militar, de cidadão. Nos orgulha. Trabalhou na ativa, na Reserva e na Reforma com o mesmo ânimo de seus tempos no Serviço Ativo da Força, por isso muito nos orgulha participar desse lançamento de mais uma, entre inúmeras obras de sua autoria”.


O Secretário-adjunto da SSP RS, Cel Marcelo Frota, cumprimentou a diretoria, em especial, o Cel Rosa destacando que “basta a sua lembrança para nos inspirar. Essa energia vital do Cel Rosa nos serve de modelo. São poucos os que vivenciaram a Brigada Militar com tanta dedicação e amor. Ninguém consegue lutar ou ter lutado tanto como o Cel Rosa se não amar a Instituição e isso está refletido na sua vida e na sua produção cultural”.


Na mesma linha, o presidente da Academia Brigadiana de Letras, Cel Landa acrescentou que “temos, agora, a consolidação da vida do Massot voltada para a cultura. E que bom que foi através da sua obra”.


Já o Cel Anchieta, presidente da ALMEBRAS disse que um dos motivos da sua presidência na Academia ” é para não deixar que o protagonismo cultural dos militares nunca diminua. E Que o amor pela Brigada e pela cultura, através das suas obras, sejam transmitidos para outros militares. Pediria até ao Grande Arquiteto do Universo que colocasse esse fundamento de fé e amor a todos brigadianos”.


O Cel Rosa, emocionado, agradeceu a homenagem de todos e resumiu a “inspiração presente” em todos os seus livros, “” enquanto eu viver, eu vou ser mais brigadiano ainda. ”


Segue o Texto do Cel Marcos Paulo Beck autor do comentário do livro.


Escrever sobre importantes vultos da história moderna da Brigada, que na minha ótica começou sob a égide do Cel Afonso Emilio Massot, no Comando Geral da Corporação Policial Militar do Rio Grande do Sul e da mesma forma, escrever sobre a história contemporânea da nossa gloriosa e combativa Força Militar Estadual dos Pampas Gaúchos, pode parecer a prima facie encarar um contraditório, dizendo ser a um só tempo, difícil e fácil. Difícil, porque por mais que se escreva e/ou se busque, a História desses vultos sempre é maior do que conseguimos pesquisar e transmitir, fácil, porque suas inegáveis realizações são grandes demais para seus tempos.


O Cel Massot, Patrono da Brigada Militar, da moderna Milícia, Força Estadual Gaúcha, que a comandou no alvorecer do Século XX, ingressou na Corporação como Capitão, o que contemporaneamente ocorre, com o advento da Carreira de Nível Superior, exigência do Curso de Ciências Sociais e Jurídicas.


Massot, intelectual, Professor, inclusive de francês, país que ao final do Século IXX, era o centro da intelectualidade no mundo. Não obstante sua cultura, era também Massot, um homem dotado de coragem moral, ética e física. Sua coragem física, amplamente testada nos campos de batalhas do Pampa Gaúcho, onde sagrou-se como herói cantado e decantado nacionalmente e embora sendo Oficial da Brigada e no Posto de Major, o Exército Brasileiro pela sua coragem, bravura, liderança e honra nos combates, tratando com respeito e humanidade aos vencidos, o promoveu ao Posto de Tenente Coronel, embora Massot, oriundo da própria Brigada Militar, tenha optado por permanecer no Posto de Major e seguir o fluxo da Carreira em sua Corporação originária.

Sua coragem moral e ética, como escreve e bem demonstra o Cel RR Audixford Almeida Coronel, deu-se num episódio em que o Governador do Estado, Dr Borges de Medeiros, lhe admoestou, dizendo que quem pensava nas ordens que dava, era ele, Governador e que, portanto, não cabia ao Cel Massot, pensar se as ordens que exalava eram legais!


Cel Massot, disciplinado e disciplinador, buscou esclarecer, que pelo bem do Estado, somente repassaria ordens para a tropa cumprir, legais e éticas e que, portanto, continuaria a passar o filtro, verificando de sua legalidade e licitude. Governador, então disse que ele, Massot, não era mais o Comandante Geral.


Disciplinado, como sempre o fora, Massot depositou sobre a mesa de trabalho do Governador, a Espada que ostentava como símbolo de seu Comando. Nos dias seguintes, o Governador chamou um a um os Coronéis da época para assumirem o Comando da Brigada e um a um declinaram a proposta, dizendo que apoiavam o Cel Massot. Governador, igualmente num ato de grandeza, reconheceu que o Cel Massot estava correto e inclusive o preservando e dessa forma reconduziu Massot ao Comando Geral da Brigada.


Da Brigada Contemporânea, é obrigatório falar-se da figura de proa, pela sua incondicional doação e devoção a Brigada, que é o Cel Alberto Rosa Rodrigues. Veterano que do alto de seus 96 anos, orgulha a todos nós, orgulhando e trabalhando sempre, quando na Ativa, na Reserva e na Reforma, com o mesmo ânimo e denodo, de seus tempos no Serviço Ativo da Força, quando por exemplo, para a construção do Hospital da Brigada de Porto Alegre, aceitou desafio de pugilista profissional, cuja verba destinou-se ao HBM.


Cel Rosa, um Homem, um cavalheiro, um exemplo de Militar e cidadão. Veterano, poderia ter feito como tantos outros fizeram e fazem, indo para Reserva Remunerada e se omitindo nos assuntos da Corporação, dizendo eu já fiz o que tinha de fazer! Com o Cel Rosa, o sentido de pertencimento ao Rio Grande e a Brigada, foi e é muito maior; não se escondeu jamais sob o manto da desculpa confortável, do “meu tempo já passou!!”. O Tempo do Cel Rosa, é o tempo de grandes homens, que colocam, a Pátria, O Estado e a Corporação Brigada Militar, acima de tudo e de todos, salvo de Deus, de quem sempre buscou luzes para praticar o bem.


Cel Rosa nunca parou, a Reserva e a Reforma, foram incentivos para interagir, produzir, criar, orientar, escrever livros como esse que hora é apresentado, iluminando os mais jovens que prosseguem na” corrida do bastão” para chegar a frente, na escolha da opção de vida dos Militares estaduais deste enorme Rio Grande do Sul, que é o de servir e servir bem a população que habita este Estado, mesmo que se necessário, oferecendo como Anjos do Sacrifício, a própria vida na defesa do bem comum, como um fiel discípulo de São Thomás de Aquino.


Para finalizar, chegando no 4º BPM em Pelotas, a pouco tempo passado, por uma cortesia do Comando, estava nosso veterano Cel Rosa, ensinando aos jovens Soldados o exercício do ” quadradinho”, isso demonstra a pró atividade desse líder e devotado Brigadiano.


A nós da ASOFBM, tê-lo como Sócio Sr Cel Alberto Rosa Rodrigues, é motivo de gáudio, de orgulho.


Caro Veterano e amigo, (meu e de todos nós), caríssimo Cel Alberto Rosa Rodrigues, como dito, o Senhor nos orgulha e é paradigma à toda coletividade e a despeito do tempo que conspira contra todos, persiga e prossiga na trajetória de construir, empreender, de realizar e servir.


Mantenha essa mente que não mente como uma referência aos mais jovens.


Marcos Paulo Beck

Cel RR – Presidente da ASOFBM

0 visualização0 comentário